terça-feira, 16 de novembro de 2010

"Diz o Alberto Caeiro que “não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma”. Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Aí a gente que não é cego abre os olhos. Diante de nós, fora da cabeça, nos campos e matas, estão as árvores e as flores. Ver é colocar dentro da cabeça aquilo que existe fora. As árvores e as flores entram. Mas – coitadinhas delas – entram e caem num mar de idéias. São misturadas nas palavras da filosofia que mora em nós. Perdem a sua simplicidade de existir. Ficam outras coisas. Então, o que vemos não são as árvores e as flores. Para se ver é preciso que a cabeça esteja vazia."
.
(Rubem Alves)

2 comentários:

  1. Obrigada por sua visita e comentarios!

    Adoro passear por aqui!

    bjus

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto, bela escolha!

    Seguindo-te!

    Beijos

    ResponderExcluir